Ads Top

convite para visitar o site da Loja Fetiches

Condiloma: entenda como essa doença é transmitida e saiba como tratá-la

Condiloma é uma infecção sexualmente transmissível que comumente se manifesta em forma de verrugas genitais e é causada pelo papilomavírus humano (HPV). Por não ter cura, demorar para apresentar sintomas ou ser assintomática (que não apresenta sintoma algum), a condição é tema de muitas dúvidas.

Diante disso, convidamos a ginecologista Daniele Fiuza (CRM 643033) para esclarecer algumas questões sobre os sintomas, o diagnóstico, os tratamentos e as formas de prevenção. Confira a matéria a seguir e mantenha-se informada!

O que é?

iStock

Condilomas são infecções na pele causadas pelo papilomavírus humano (HPV), podendo ser chamadas também de verrugas genitais. De acordo com a Dra. Daniele, sua principal forma de transmissão é por contato direto, “por isso a dificuldade de erradicar a doença, pois lesões imperceptíveis podem favorecer a sua transmissão”.

Sendo assim, a transmissão não acontece apenas por meio de relações sexuais, mas também por contato físico e até mesmo durante o parto, de mãe para filho. Uma vez que existem inúmeros tipos de HPV, são causados diferentes condilomas, sendo que os principais são do tipo reto, acuminado e papular.

  • Condiloma acuminado: é um dos tipos mais comuns, popularmente conhecido como crista de galo ou figueira. Aparece em formato de verruga couve-flor, próximo ao ânus, na região oral ou nos genitais.
  • Condiloma plano: são manchas vermelhas ou rosadas que surgem na sola dos pés, palmas das mãos ou na boca. Aparece usualmente na fase secundária da sífilis.
  • Condiloma papular: é o tipo que aparece como pápula, caroço elevado e mole, com coloração que varia do rosa ao castanho escuro.

Essas lesões causadas na pele são consideradas benignas e, se identificadas no começo, são de fácil tratamento. Entretanto, segundo uma pesquisa da Universidade Federal do Paraná, o fator mais preocupante é a associação do condiloma ao câncer de colo de útero, por causa do HPV.

Os condilomas podem apresentar-se de diferentes maneiras e ter formas, tamanho e números variados. Outro ponto a se observar é que os pacientes que manifestam o condiloma podem estar infectados não só com um, mas com vários tipos de HPV.

Sintomas

iStock

Conforme informações da ginecologista, os sintomas vão aparecer – ou não – dependendo da imunidade do paciente. Surgem sob a forma de verrugas, sendo muito comuns nas áreas de vulva e perianal nas mulheres.

Apesar de não causarem dor, os condilomas podem apresentar ardência e coceira. A profissional afirma que o período de incubação do vírus é indeterminado, e é possível ter condilomas e não perceber, pois eles podem se apresentar de forma assintomática.

Diagnóstico

Quando os sintomas se apresentam em forma de verrugas, a própria pessoa pode perceber sua presença no corpo. A Dra. Daniele explica, entretanto, que o diagnóstico é clínico e, em caso de dúvidas, pode-se realizar uma biópsia.

Fatores de risco

Segundo a médica, os grupos de risco são os pacientes que apresentam doenças imunosupressoras, as quais diminuem a imunidade, como pessoas soropositivas ou com doenças autoimunes.

Também entram no grupo de risco as mulheres grávidas, que costumam enfrentar uma redução da imunidade. Durante a gestação, a manifestação mais comum da infecção pelo HPV é o condiloma acuminado.

Tratamentos para condiloma

iStock

Apesar de não existir cura para a infecção, a Dra. Daniele enfatiza que é possível eliminar as lesões e também trabalhar com a melhora da imunidade do paciente. Dentre os tratamentos disponíveis, estão:

  • Remoção cirúrgica;
  • Pomadas a base de imiquimode;
  • Ácido tricloroacético;
  • Tratamento a laser.

Na gestação, o tratamento mais indicado é a aplicação do ácido tricloroacético, que só pode ser feito em consultório. A médica alerta: “não é liberado o uso em residência. Temos que fazer uma vez por semana no consultório, até a remissão das lesões”.

É importante destacar que a ginecologista recomenda todos os tratamentos em conjunto com o acompanhamento médico e é o profissional quem deve indicar o mais adequado. Em suma, jamais utilize medicamentos sem prescrição médica ou tente se tratar em casa.

Prevenção

iStock

O uso de preservativos pode ajudar na prevenção, mas deve ser combinado com outros métodos. Estar em dia com o exame de papanicolau, por exemplo, é muito importante, pois ele pode detectar alterações e evitar o câncer de colo de útero, doença causada pelo HPV.

Dra. Daniele defende que a prevenção mais indicada é a vacina do HPV. Além disso, ela declara que na maioria das vezes, com a vacina a recorrência em pacientes imunocompetentes é menor, ou seja, a chance das lesões retornarem é baixa.

Vacina

A vacina do HPV é uma das medidas preventivas mais apontadas. Para garantir a completa proteção é necessário tomar as duas doses, gratuitas no Sistema Único de Saúde. Segundo a médica, a faixa etária mais indicada é de meninas entre 9 e 14 anos e meninos entre 11 e 14 anos, mas que mulheres até 45 anos também podem tomar.

Deu para perceber que nossa saúde não é brincadeira, não é mesmo? Apesar de ser uma infecção bem comum, hoje já existem diversos tratamentos e o acesso à vacina contra o HPV é mais garantido. Caso você apresente sintomas, o importante é recorrer a profissionais e evitar resolver o problema sozinha.

O post Condiloma: entenda como essa doença é transmitida e saiba como tratá-la apareceu primeiro em Dicas de Mulher.

Nenhum comentário:

Tecnologia do Blogger.