Ads Top

convite para visitar o site da Loja Fetiches

Ex-funcionários da “Vogue Brasil” denunciam série de assédios e xingamentos de diretora: “Infinitas horas, humilhação e gritos” — confira relatos chocantes!

Nesta sexta-feira (28), uma reportagem do “BuzzFeed News” revelou relatos e denúncias de assédio no ambiente de trabalho da revista Vogue Brasil e da empresa Edições Globo Condé Nast, que está por trás da publicação. 27 pessoas que trabalharam na companhia deram seus depoimentos, citando jornadas de trabalho exaustivas – chegando até 24 horas consecutivas –, além de uma série de ocasiões com abusos e xingamentos.

A figura apontada por trás dessa cultura tóxica é a jornalista Daniela Falcão. Desde 2017, a diretora-geral das Edições Globo Condé Nast está à frente das revistas “Vogue”, “GQ”, “Glamour” e “Casa Vogue”. Daniela já foi considerada uma das pessoas mais importantes da moda mundial. Entretanto, tal qual Anna Wintour – editora-chefe da Vogue norte-americana, que teria inspirado “O Diabo Veste Prada” –, a brasileira também foi alvo de queixas por sua postura profissional, que impôs medo e causou traumas em alguns colaboradores.

Mônica Salgado recorda postura de Daniela Falcão

A jornalista Mônica Salgado, que foi uma das criadoras da revista “Glamour”, trabalhou próxima de Daniela até o ano de 2017. Ela se recorda de vários momentos delicados, mesmo quando estava em cargos da chefia. “Infelizmente, não foi uma nem duas vezes que, em reunião de diretoria, Daniela, já como diretora editorial ou geral da Edições Globo Condé Nast, usou palavras fortes para desmerecer o trabalho (ou a capacidade intelectual) dos diretores, interromper suas explanações, diminuir seus feitos. Eram momentos constrangedores e desconfortáveis para todos”, revelou ela.

“Daniela era figura fortíssima, inteligentíssima, manipuladoríssima. Cheia de superlativos positivos e negativos. A energia dela é tão poderosa e intensa que impregna (às vezes intoxica) pessoas e ambientes. É difícil se imunizar… Até hoje, quando encontro ex-colegas de trabalho, o assunto é invariavelmente… ela. Imagina quando trabalhávamos juntas: ela era o tema dos almoços, dos happy hours, das caronas, das respectivas terapias e até de brigas de casais”, lembrou a jornalista.

[anuncio]

Segundo Mônica, nem mesmo o RH da empresa tratava de resolver as questões. “Nem o departamento de RH (que nas vezes em que acionei, não me pareceu ter uma atuação isenta), nem o compliance do grupo, nem os superiores hierárquicos deram mostras de que condenavam os atos. A sensação geral entre a equipe era de que não valia a pena reclamar formalmente, porque os antecedentes provavam que nada mudaria. E o medo de retaliação era real”, admitiu ela.

A jornalista Mônica Salgado, que trabalhou com Daniela Falcão até 2017, também mencionou do ambiente de trabalho ruim da empresa. (Foto: Reprodução/Instagram)

Principais denúncias

De acordo com os relatos, não raros eram comentários ácidos de Daniela Falcão sobre a aparência e vestimenta das subordinadas. Apenas para citar alguns deles: “Que roupa é essa?!”; “Não dá para você usar gola alta, minha filha, olha o tamanho do seu peito!”, e “Vai passar uma maquiagem, aonde você pensa que vai com essa cara?”.

Uma ex-funcionária mencionou que, para não serem “humilhados”, todos deveriam concordar com a chefe. “Isso era institucionalizado: ou você aceita uma posição de sempre ela está certa, ou vai ser humilhado. Existem as humilhações simples, como quando ela vira e deixa você falando sozinho, e as mais diretas, como gritos em reuniões com clientes ou com o resto da equipe”, disse ela, que acrescentou: “Você entrava numa reunião sabia que alguém ia ouvir grito. Se era outra pessoa, era um alívio e dava graças a Deus que não foi com você”.

[anuncio]

Xingamentos e desrespeito

Outro relato chocante foi quando Daniela teria gritado com uma repórter, chamando-a de “fedelha”. A diretora avisou que a matéria da jornalista não seria publicada, deu outros trabalhos a ela, mas, por fim, voltou atrás. A colaboradora só soube disso quando era 20h, e descobriu que Falcão teria pedido que a reportagem fosse publicada naquela edição da revista. “Fiz todo o resto. Impossível fazer a reportagem para esta edição”, respondeu a funcionária à chefe.

Foi então que Daniela enviou cinco emails seguidos em resposta, com intervalo de segundos, e saiu aos gritos de sua sala em direção à repórter. “Ela berrava. Berrava mesmo. As equipes da Casa Vogue e da GQ, que ficavam a bons 15 metros, ouviram e ficaram olhando. Ela falava: ‘Sua fedelha! Quem você pensa que é para fazer isso comigo? Como você ousa dizer que não vai entregar essa matéria?!’. Daí ela se debruçou na minha mesa e disse: ‘Olha no meu olho! Diz que você não vai entregar!’”, lembrou a jornalista, que tremia ao encarar a diretora enfurecida.

Influente na moda, Daniela Falcão teria contribuído para assédio moral e muitos abusos por trás da “Vogue Brasil”. (Foto: Getty)

Apesar do receio, a repórter tomou coragem e disse: “Eu não vou conseguir entregar… Eu não vou passar a noite nessa redação, eu não vou fazer”. Enquanto a cena se desenrolava, uma editora até mesmo saiu para chorar no banheiro. Passada a cena assustadora, a jornalista questionou o RH da empresa sobre o desrespeito, a carga de trabalho excessiva, além de ter entregue dezenas de emails que estavam em uma pasta denominada “Assédio Moral”. “Está tudo errado nessa redação, e vocês não fazem nada”, criticou ela, na época.

O RH, por sua vez, pediu apenas que ela fizesse um teste psicotécnico. “Sabe aquele teste dos tracinhos que a gente faz na auto-escola? Eu fui obrigada a fazer esse teste, além de responder perguntas”, lembrou ela. O episódio fez com que Daniela se recusasse a interagir com a repórter. “Por exemplo, se eu estava na sala dela e ela falava para uma pessoa na frente dela: ‘Fala para essa menina isso, isso e aquilo.’ Ela não se dirigia a mim”, contou a profissional, que pediu demissão meses depois.

[anuncio]

Estado emocional de funcionários abalado

Marina Beltrame é um dos exemplos que mostra como o ambiente de trabalho afetou o estado emocional das pessoas. “O telefone tocava e eu tinha palpitação”, disse ela, que foi produtora-executiva da “Vogue” por seis anos. Isso se refletiu na época em que Marina enfrentou um câncer, mas tinha receio de sofrer alguma represália pelas sessões de seu tratamento.

“Eu ia fazer procedimento na hora do almoço, escondida, não contava para ninguém. Não contava porque precisava ser produtiva, uma máquina de trabalho. Eu não tinha nem noção de que podia ir fazer um procedimento e ir para a minha casa”, lembrou ela, que definiu o trabalho como “baseado em infinitas horas, humilhação e gritos, mas com um tule protetor por cima”.

Por trás da “Vogue Brasil”, estava um ambiente de trabalho com rotinas exaustivas, xingamentos, assédio moral e muitas outras posturas questionáveis… (Arte: BuzzFeed News/Globo Condé Nast)

“Ouvi um milhão de gritos”, citou. Entretanto, para além dos gritos, Daniela Falcão teria sido abusiva de outras formas. “Uma vez entrei na sala dela e lembro que ela falou: ‘Você está doente?’. Eu disse que não. Ela disse: ‘Você está com cara de doente. Então vai passar um rímel que não dá pra olhar para sua cara desse jeito’. Na hora é tão maluco que você ri, mas olhando para trás você percebe o que é de verdade. É um terror psicológico muito absurdo”, acrescentou Beltrame.

A postura também é vista no relato de Tamara Foresti, que foi redatora-chefe da “Glamour” em 2013, mas se demitiu apenas dois meses após conseguir seu “emprego dos sonhos”. “Era gente chorando no banheiro a todo momento. Eu fiquei só dois meses, mas entrei na síndrome de Estocolmo. Achei que não tinha nenhum valor, passei a pensar: ‘Ainda bem que me contrataram, porque eu não tenho nenhum valor’. Eu não tinha confiança para fazer mais meu trabalho”, disse ela, afirmando que a situação “ficou na mesma, não aconteceu nada”, após reportar o caso aos executivos da empresa.

[anuncio]

Problemas com cachês e jornadas exaustivas

O cabeleireiro e maquiador Dindi Hojah, que já trabalhou com artistas como Kanye West, relatou que receberia um cachê de apenas R$ 150 – menos do que paga a seus assistentes – caso não tivesse batido o pé após ser convidado para fazer a beleza da capa de uma revista, que acabou se tornando algo que eles não tinham combinado. “Quando eu descobri, a contracapa era um anúncio. E era assim: outro look, outra cena, outra luz, outro tudo… E o pior: eu tive que fazer um vídeo de tutorial, mostrando como fazer o cabelo da capa, para ser usado nas redes [sociais] da marca. Ninguém nunca tinha me falado de nada disso”, disse ele.

Após mais de 12 horas, o ensaio acabou de madrugada. “Entrei em contato com eles, cobrei e consegui receber R$ 1.000, o que na real não é nada para um anúncio na contracapa de uma revista de publicação nacional”, lembrou Hojah. “A gente topa pois a gente sabe a importância de participar desse game. De como uma capa de Vogue pode mudar sua carreira. A gente topa pois é vítima de uma hierarquia de poder, a que somos submetidos o tempo todo. Parece hipocrisia falar tudo isso uma vez que fui lá. Mas a gente vai de trouxa. Não se trata talvez de fazer o abusador entender, mas sim de ajudar as vítimas a reencontrar seu valor”, avaliou ele.

[anuncio]

Alguns funcionários recordaram de jornadas de trabalho que atingiam 24 horas consecutivas, numa época em que precisavam finalizar revistas que chegavam a ter até 400 páginas. Em meio a isso, as exigências de Daniela Falcão também causavam desconfortos. “Tem de aprovar todas as páginas com ela. Imagina 300 páginas e ela não aprovava, eu cheguei a ter de fazer 11, 12 versões da mesma página. E não é que mudava uma coisa, mudava tudo”, contou uma designer.

“Teve uma vez que ela estava de férias, num barco, e a gente tinha que esperar até de madrugada para ela ver página por página, e fazer mudanças”, relatou a profissional. Após algum tempo, ela desistiu desse trabalho exaustivo, que estava a deixando debilitada. “Eu já não conseguia mais, estava magra, não dormia, tinha uma insônia seríssima, e aí começaram os ataques de pânico”, afirmou a designer.

No entanto, funcionários que ainda trabalham na empresa relatam que o volume do trabalho mudou de lá pra cá. “Hoje em dia, é raro passar das dez da noite. Nunca mais virei uma noite lá”, disse uma colaboradora da Vogue. Isso também tem relação com a diminuição do número de páginas da revista, que atualmente gira em torno de 170.

O que diz a Edições Globo Condé Nast

Procurada pela reportagem do BuzzFeed News, a empresa recebeu todas as alegações específicas de abuso e detalhes dos casos mencionados. No entanto, a editora não se manifestou sobre os casos em questão. Em nota, o grupo citou seus procedimentos internos, como o canal de Ouvidoria aos funcionários. Veja a íntegra:

“A Edições Globo Condé Nast oferece a seus colaboradores e a quaisquer terceiros, um canal de Ouvidoria para denúncias de violação às regras do Código de Ética do Grupo Globo e uma área de Compliance independente, que se reporta ao Conselho de Administração do Grupo Globo. Não toleramos comportamentos abusivos ou qualquer forma de assédio em nossas equipes e todos os relatos são criteriosamente apurados assim que tomamos conhecimento, com a garantia completa de sigilo de todos os envolvidos no processo. Não fazemos comentários sobre as apurações e sempre tomamos as medidas cabíveis, que podem ir de uma advertência até o desligamento do colaborador.”

“Além disso, nossas publicações se guiam por princípios editoriais claros e públicos, que consideram, entre outras premissas, uma distinção clara dos conteúdos comerciais. A Editora Globo Condé Nast (EGCN) reafirma o seu compromisso em combater práticas que estejam desalinhadas com seus princípios éticos.”

[anuncio]

O que diz a Condé Nast nos Estados Unidos

A Condé Nast, que detém 30% das Edições Globo Condé Nast no Brasil, respondeu às alegações ao site afirmando que examinará os negócios da empresa no país, e que demandará a responsabilidade de “criação de um ambiente de excelência”. Confira a nota:

“A Condé Nast é acionista minoritária em uma operação conjunta com o Grupo Globo no Brasil. Como acontece com todos os nossos parceiros de negócios e licenciados, trabalhamos com eles para ajudar a garantir que nossa força de trabalho global e padrões editoriais sejam mantidos, incluindo a adesão a um ambiente de trabalho sustentável que priorize a diversidade e a inclusão, o respeito e o bem-estar. Enquanto examinamos mais profundamente as operações de negócios no Brasil, continuaremos a instar o nosso parceiro à responsabilidade pela criação de um ambiente de excelência para nossos funcionários, o nosso público e os nossos clientes.”

[anuncio]

Daniela Falcão não se manifesta

De acordo com o BuzzFeed News, Daniela foi procurada por diversas formas, entretanto, optou por não se manifestar publicamente sobre a reportagem e as alegações. Entretanto, no passado, a diretora-geral da Edições Condé Nast Brasil já havia falado sobre sua postura profissional em algumas entrevistas, como no programa “Garden Girls”, em 2013.

“Já houve uma fama de [eu] governar pelo terror. Eu fui governada pelo terror. Os grandes chefes de redação, e eu venho da imprensa diária, jornal. Então era: ‘Põe o ponto final agora!’, e mil palavras impublicáveis. Você recebe uma herança, até você conseguir se despir e ver quem você quer ser, leva um tempo”, disse ela. Quando uma das apresentadoras comentou que “todos adoram” Daniela, a então diretora de redação da Vogue respondeu: “Será que as pessoas gostam de apanhar?”.

Confira mais relatos, entrevistas e saiba todos os detalhes dos depoimentos sobre os assédios na reportagem de Chico Felitti para o “BuzzFeed News”, clicando aqui.

O post Ex-funcionários da “Vogue Brasil” denunciam série de assédios e xingamentos de diretora: “Infinitas horas, humilhação e gritos” — confira relatos chocantes! apareceu primeiro em Hugo Gloss.

Nenhum comentário:

Tecnologia do Blogger.