Ads Top

convite para visitar o site da Loja Fetiches

Caso Leblon: Jovem de vídeo viral se revolta ao ser chamada de “mulher da vida” e garante processo contra arquiteta que jogou garrafa; confira todas as versões da história

O Leblon, no Rio de Janeiro, voltou a ficar na boca do povo no Brasil inteiro, mas não foi por causa de uma novela de Manoel Carlos. Um vídeo gravado na sexta-feira (25) mostra uma pancadaria que aconteceu no bairro, após uma mulher de biquíni em um conversível ser atingida por uma garrafa plástica dentro do carro. Priscilla Dornelles, amiga da moça atingida e que também estava no automóvel, usou o Instagram para falar sobre o caso e avisar que irá processar a pessoa que jogou a garrafa, uma vez que ela fez alegações difamatórias sobre seu grupo de amigos em uma gravação publicada no Instagram.

Na filmagem amadora que viralizou nas redes sociais, Priscilla está dentro do conversível com Wilton Vacari e Scheila — que não teve seu sobrenome identificado. As duas jovens estão de biquíni, e Scheila, que estava sentada apoiada na parte superior do automóvel, é atingida por duas garrafas de plástico, que foram jogadas por uma mulher que aproveitava a noite no restaurante. A jovem desce do carro, agride quem a atacou e depois é perseguida por um homem que estava na mesma mesa, enquanto ela voltava para o automóvel. Ele tenta segurá-la e acaba arrancando a parte de cima do seu biquíni. Confira o registro:

[anuncio]

A mulher que joga a garrafa é a arquiteta Aline Araújo, e o homem é seu namorado. Ontem (26), ela gravou um vídeo no Instagram falando sobre o episódio. Na gravação, que já foi deletada, ela refere-se a Scheila e Priscilla como “mulheres da vida que estavam sendo pagas para fazer aquilo ali”. O “aquilo ali” que ela afirma no vídeo seriam cenas obscenas, e por estar com crianças, acreditou ser inaceitável presenciar tal momento em público. “Não era beijo na boca só, não! Eram de biquíni, preliminares, aparecendo tudo que a gente pode imaginar de um filme pornô, bem ali na nossa frente”, diz em um trecho.

Priscilla, que é estudante e trabalha em um aplicativo de lives, não gostou nadinha das falas de Aline, que dão a entender que ela é prostituta. Em seus stories, ela falou sobre o caso e garantiu que irá processar a arquiteta. “Saímos de uma festa na lancha, na praia, e resolvemos dar uma volta de biquíni mesmo para curtir. Mas uma recalcada simplesmente não gostou do que viu, não sei o que incomodou tanto ela, porque estávamos somente nos divertindo. Eu acho que difamação é um crime muito sério. Só pra avisar que vai ter processo. Vai pegar processo, sim”, avisou.

“Inveja é uma coisa muito feia. Muito feia, cara! Qual é o problema me divertir com os meus amigos? Agora você vir aqui me difamar? Falar que eu sou o quê? O que você tá querendo dizer com ‘mulher da vida’? Quem você pensa que é para me chamar de ‘mulher da vida’? Você não sabe o mínimo de mim!”, declarou Priscilla. “Seu namorado tentou arrancar o biquíni da minha. E aí? Você vem dizer que é atentado ao pudor? Eu quero provas! Me mostra! Seu namorado pode vir arrancando o biquíni, tá bem bom, tá lindo! É que você deve ser a pessoa mais correta do mundo”, ironizou.

[anuncio]

De acordo com a coluna de Leo Dias, Wilton Vacari também irá processar Aline e seu namorado. “Só pra constar, sou engenheiro da Petrobras concursado, não pago mulher, minhas amigas são mulheres que trabalham, e se sustentam, não banco ninguém porque não preciso disso. Os vídeos estão circulando nos meus grupos de trabalho e isso mancha minha imagem perante a minha empresa. Vou processar a arquiteta e o homem covarde que agrediu Sheila dentro do meu carro. Fui lesado. Até minha avó recebeu esses vídeos”, lamentou.

O rapaz alega que as tais “cenas obscenas” eram apenas ele beijando as amigas e elas entre si. “Sempre ando de carro com a capota aberta com as minhas amigas, pra mim é uma coisa natural, quem é meu amigo ou me acompanha no Insta sabe que eu faço isso toda semana. Vim beijando uma, depois outra, depois elas se beijavam. Coisa mais que normal para sociedade de hoje em dia. Faço isso toda semana, jamais iria passar no Leblon, onde sou cria, fazendo cenas obscenas ou preliminares [de sexo]. Foi o que a menina achou de desculpa pra tentar aliviar um pouco o erro dela”, explicou.

Sem arrependimentos

Aline Araújo concedeu uma entrevista para a revista Veja Rio neste domingo (27). Ela ressaltou que jogou a garrafa de água nas meninas porque elas estavam “botando a boca no peito uma da outra”. “O problema é que elas estavam se beijando, desciam e botavam a boca no peito uma da outra, passavam a mão dentro do biquíni, beijavam o motorista, todo mundo junto. Uma baixaria”, alegou.

[anuncio]

A arquiteta explicou que tinha o intuito de ser “lúdica” com as crianças que estavam na mesa quando jogou a garrafa de água. “Uma das duas crianças da mesa não parava de olhar. Aí eu vi o que estava acontecendo, virei o rostinho dela para o lado e falei ‘Não olha pra isso, não’. Quando o carro andou, eu joguei a água. Mas minha intenção ao jogar era ser lúdica com as crianças, tanto que falei para elas: ‘Vamos apagar esse fogo!’”, explicou.

A agressão de Scheila foi recebida com surpresa. “Eu não imaginei que ela ia me bater. Achei que fosse me xingar, e eu ia falar de boa. Quando vi, ela já tinha pulado do carro e estava vindo parecendo o Robocop na minha direção, irritadíssima. Me deu dois socos e um empurrão só porque eu joguei água. Gente, mas ela estava de biquíni!”, argumentou. Ela ainda defendeu o namorado de ter puxado a peça de roupa da jovem. “Ele queria segurá-la até a chegada a polícia, já que ela me agrediu. A ideia era segurar o braço dela, mas ela estava molhada, se esquivou e ele acabou arrancando a parte de cima sem querer”, alegou.

Aline também explicou por qual motivo deletou o vídeo do seu Instagram em que chamava Dornelles e Scheila de “mulheres da vida”. “Não [me arrependo]. Eu recebi um áudio dizendo que elas são garotas de programa de uma casa de massagem na Barra, e que já tinham feito essa mesma cena do carro na Olegário Maciel para divulgar a casa. Apaguei o vídeo depois porque um amigo que é delegado disse que seria melhor fazer isso, mas eu acho mesmo que são garotas de programa e estavam drogadas. Bêbado todo mundo já ficou. Ali é outra coisa, foi pesado”, concluiu.

[anuncio]

Versão contestada

Scheila, que é empresária e proprietária de clínicas de estética no Rio de Janeiro e em Curitiba, também se pronunciou sobre o ocorrido. Em seu Instagram, ela publicou um vídeo com pouco mais de quatro minutos alegando que a gravação que viralizou mostra apenas um recorte de tudo que aconteceu. “Estávamos curtindo nossa vibe, curtindo nossa onda e estávamos com a capota aberta, carro conversível. Quando passamos numa rua mais movimentada e escuto uma garota falar assim: ‘Vagabunda!’. Eu olhei pro lado, ela com maior cara de deboche me manda um beijo. Achei desnecessário, dei até risada, falei: ‘Será que ela quer vir até aqui e quer participar?'”, lembrou.

O carro andou um pouquinho e foi quando as cenas do vídeo aconteceram. “Ela taca uma garrafa d’água nas minhas costas bem na hora que eu estava abaixada mostrando uma mensagem pro Wil. Tanto que eu estava no banco de trás e eles no da frente. Tudo que falou sobre orgia e enfim, é só assistir ao vídeo. Não teve isso”, garantiu. “Levei a garrafada nas costas e já olhei diretamente pra ela, porque eu já sabia. Ela já tinha mexido comigo. Quando eu olho pra trás, ela na maior cara de deboche me manda outro beijo. Como eu não tenho sangue de barata, minha reação foi pular do carro”, recordou.

[anuncio]

A carioca confessou que não sabia ao certo o que faria quando desceu, ela só sentia muita raiva. “Quando eu pulei do carro, ela fez assim pra mim: ‘Vem!'”, disse Scheila, enquanto gesticulava o que Aline teria feito. “Eu fui! Revidei, apanhei e revidei. Tô certa?! Eu acho que eu tô! Tenho certeza que não mereço apanhar à toa. Eu tenho minha filha e não ensino ela violência, mas também ensino a se defender. Bati, bati sim. Ela não se esquivou, não. Bati com força e foi um tapa bem dado”, revelou, contrariando a versão que a arquiteta deu de que teria saído ilesa.

Ao contrário dos amigos, Scheila não sinalizou que tem interesse em processar Aline no vídeo. “Essa é a minha versão, minha declaração. Só quero ficar em paz e quero que ela fique em paz também. Não tenho raiva dela. Aline, minha querida, um beijo pra você. Eu espero realmente que você tenha paz de espírito, que você consiga se encontrar e não sinta inveja dos outros”, aconselhou. “Eu não bati à toa e também não aceito apanhar à toa”, finalizou.

O post Caso Leblon: Jovem de vídeo viral se revolta ao ser chamada de “mulher da vida” e garante processo contra arquiteta que jogou garrafa; confira todas as versões da história apareceu primeiro em Hugo Gloss.

Nenhum comentário:

Tecnologia do Blogger.